História e origem do tênis de mesa

Não existe nenhum relato que diz quem foi o inventor do tênis de mesa. Encontramos muitas versões diferentes sobre a origem do esporte, mas duas histórias apesar de serem diferentes podem se completar porque são coerentes.

A primeira diz que o Tênis de mesa nasceu na Índia, por volta do século XVII, criado por colonizadores ingleses. Por não suportarem jogar o tradicional tênis a temperatura elevada criaram um esporte que pudesse ser praticado na sombra Uzorinac (2001 apud IIZUKA e NAGAOKA, 2006).

A segunda diz que o tênis de mesa surgiu na Inglaterra na metade do século XIX. Suas primeiras lembranças registradas revelam um jogo rude iniciado por estudantes universitários e por militares que praticavam com equipamentos improvisados no país e no exterior (CBTM, 2005).

“Três dos modernos jogos populares de raquete descendem diretamente do antigo jogo medieval de ‘Tênis’, que costumava ser jogado tanto ao ar livre quanto em espaços fechados. Todos nasceram e evoluíram na Inglaterra durante a Segunda metade do Século XIX: o Tênis de Campo, praticado com uma bola mais macia – Borracha coberta de felpo, em terrenos gramados; o Tênis de Mesa (do mesmo modo um passatempo social) em salas comuns; e Badminton, no qual usava-se uma peteca no lugar de uma bola (site da CBTM)”.

Assim podemos entender que o Tênis de mesa pode ter sido criado na Índia e se desenvolvido na Inglaterra.

Segundo alguns historiadores dos jogos, o tênis de mesa constituiu uma variante contemporânea do tênis jogado em quadras, imaginando, porém, de forma a permitir sua prática às camadas mais pobres da população, já que é jogado em espaços mais restritos e com equipamento bem mais barato que o do tênis de quadra (IIZUKA e NAGAOKA, 2006 p.20).

No início os materiais utilizados na pratica desse esporte eram improvisados, mesas de diferentes tamanhos, raquete de madeira recoberta com papelão ou outros materiais, bolas de cortiça e borracha, redes de diferentes alturas, ou seja, não havia nenhuma regra ou padronização para esse esporte (CBTM, 2005).

O nome Ping-Pong foi dado por James Gibb associando o som que a bolinha de celulóide fazia com a raquete oca. Hoje explicam que o ping-pong é um esporte voltado para recreação com regras combinadas antes do jogo, com materiais adaptados. Em 1902 iniciou-se o uso da borracha de pino, o tênis de mesa se tornou um esporte de grande variação técnica (velocidade, efeitos, etc), com estilos diversificados, distanciando os amadores dos experts. Hoje temos materiais especiais, madeiras com fibras de carbono e madeiras leves e resistentes, borrachas de diversas espessuras e flexibilidade (FPTM, 2005).

De 1905 a 1920 o tênis de mesa se espalhou para outros países como Japão, China, Coréia, Hong-Kong, e outros paises, surgindo nessa época os torneios internacionais e a também a necessidade de regulamentar as regras do esporte.

Em 1926 foi oficializado as regras e o nome de Tênis de Mesa ao esporte, nessa época também foi fundada, em Londres, a I.T.T.F. (International Table Tenis Federation).

Nos primeiros tempos do tênis de mesa, de 1926 a 1953, os europeus dominaram completamente o esporte, época em que elevava a 17,5cm e os jogadores defensivos predominavam e as partidas eram longas, durando horas para serem concluídas. Em 1954, com a rede já adaptada à altura de 15,25cm, os japoneses passaram a dominar, utilizando um novo estilo, com batidas quase que exclusivamente de direita e utilizando um excelente trabalho de perna. A partir de 1961, os chineses investiram alto no esporte e incentivaram a população a praticar o esporte. Com êxito total, a China passou a dominar o Tênis de mesa (TIBÉRIO, 2007).

Hoje a mais de 150 associações filiados à I.T.T.F , muitas delas com centenas de milhares de jogadores, como a antiga URSS, com mais de 1 milhão, e a China, com mais de 10 milhões de praticantes Uzorinac (2001 apud IIZUKA e NAGAOKA, 2006).

Tais números constatam que o tênis de mesa é o segundo esporte mais praticado no mundo e, em 1988, foi-lhe concedida à condição de Esporte Olímpico CBTM (apud IIZUKA e NAGAOKA, 2006).

História do tênis de mesa no Brasil

Os iniciantes da prática do esporte no Brasil eram turistas ingleses e começaram a implantá-lo no país em meados de 1905 em São Paulo. Foi fixado o ano de 1912 como início das atividades organizadas de Tênis de Mesa no país, pois até então, este era praticado somente em casas particulares e em clubes. Nesse ano foi disputado o primeiro campeonato por equipes na cidade de São Paulo, tendo como vencedor o Vitória Ideal Clube.

No Brasil a aceitação das novas regras levou muitos anos, em virtude da discórdia com os praticantes do pingue-pongue, com regras próprias. Somente depois de anos de confronto o tênis de mesa foi ganhando espaço, graças às lições recebidas do alemão Máximo Cristal, do campeão Mundial de tênis de quadra e de mesa, Fred Perry, que nos visitou em 1930, seguida em 1938 da apresentação dos campeões Mundiais, húngaros, Miklos Szabados e Istvan Keller. Importando um exemplar das regras oficiais, obra que se deve ao Centro Associativo Fazendo Estadual (C.A.F.E.), autêntico pioneiro da transformação, que embora lenta, foi ganhando terreno e eliminando quase por completo a teimosia que obstaram o desenvolvimento da modalidade (Tibério, 2007).

Em julho de 1941 a antiga associação de ping-pong se torna em Federação Paulista de Tênis de Mesa. Em 1942, quando os cariocas representados por De Vicenzi, A. Neves e G. Ferreira, e os paulistas representados por Bolonga, F. Nunes e W. Silva, aprovaram a tradução das regras e assinaram convênios que levou à oficialização do Tênis de Mesa pela Confederação Brasileira de Desporto. Em 1947, graças ao esforço de De Vicenzi, o Brasil participou do 3º Campeonato Sul-Americano e, a partir de então, a participação do Tênis de Mesa Brasileiro nos Mundiais vem intensificando o intercâmbio internacional (FPTM, 2005).

Em 1961, o brasileiro Ubiraci (Biriba) Costa, aos 15 anos, venceu o então campeão mundial Jun Kuo-Tan, em Pequim, sendo considerado o primeiro ídolo do esporte no Brasil. Aos 13 anos, venceu os campeões mundiais Ogimura e Tanaka, em uma partida-demonstração no ginásio do Ibirapuera. A partir daí, seu nome passou a ser conhecido em todo o Brasil. Após Biriba, os nomes que mais se destacaram no tênis de mesa brasileiro foram Ricardo Inokuchi, Cláudio Kano e Hugo Hoyama, os quais conquistaram todos os títulos em Pan-americanos, também conseguindo excelentes resultados mundialmente CBTM (apud IIZUKA e NAGAOKA, 2006 p.21).

Atualmente, o esporte está organizado em 22 Federações estaduais com mais de 20.000 atletas filiados à Confederação brasileira de Tênis de mesa (CBTM, 2005), mais existe um número muito maior de pessoas que praticam esse esporte, porém de uma maneira mais recreativa, o famoso ping-pong, sendo o terceiro esportes mais praticado no Brasil.